Resenha: As mentiras que os homens contam – Luis Fernando Verissimo

Título: As Mentiras que os homens contam

Autor: Luis Fernando Verissimo

Páginas: 166

Editora: Objetiva

Ano de Publicação: 2001

Biografia do autor: Com mais de 60 publicações, entre crônicas, contos, romances e quadrinhos, Luis Fernando Verissimo ficou conhecido pelas crônicas de humor publicadas em diversos jornais. Filho do escritor Érico Veríssimo, trabalhou também como cartunista, roteirista, tradutor e publicitário, além de ser músico. Conquista seu público leitor com uma linguagem simples e inteligente que ficou marcada em suas obras. Além disso, costumava utilizar a ironia para tratar de temas delicados, como a política. Verissimo é classificado como um escritor da literatura contemporânea brasileira.

Classificação: ★ ★ ★ ★

Resultado de imagem para as mentiras que os homens contam

  Péssimo

★ ★  Regular

★ ★  Bom

★ ★ ★ ★  Ótimo

★ ★ ★ ★  Excelente

★ ★ ★ ★ ★  Louvável

♦ ♦ ♦

Em As mentiras que os homens contam, Luis Fernando Verissimo descortina, frente ao leitor, a mentira sob a perspectiva masculina. Através de crônicas bem humoradas e com várias pitadas de ironia, o autor expõe as diversas facetas das inverdades contadas pelos homens aos amigos, à namorada, à esposa, ao chefe e assim por diante. Mentiras que vão desde aquelas que são proferidas com a intenção de não magoar alguém querido, até aquelas ditas com a intenção de obter vantagem para si. Algumas delas, bem sucedidas, outras nem tanto. Dessa forma, a realidade é retratada de maneira cômica, através de personagens que, de tão verossímeis, chegam a ser caricatos.

Composta por 21 crônicas narradas de forma leve, As mentiras que os homens contam é uma obra que pode ser lida por completo em um único dia. A linguagem é clara, predominantemente coloquial, o que é uma característica marcante deste gênero literário. Com reflexões profundas, porém objetivas, irá agradar tanto o público jovem, quanto o mais maduro. Tanto os leitores “iniciantes”, quanto aqueles acostumados a leituras mais densas. Além dos aspectos citados acima, ainda há o fator “narrativa surpreendente”. Cada crônica apresenta um desfecho que surpreende e diverte o leitor.

Devido ao não-aprofundamento das características psicológicas dos personagens, outra característica do gênero literário crônica, seria possível presumir que o leitor não se identificaria tanto com os tais. Entretanto, Luis Fernando Verissimo, ao retratar  o cotidiano de maneira tão surpreendente, leva o leitor a enxergar nas narrativas um reflexo daquilo que vê, ou até mesmo pratica, no dia-a-dia. O autor não mostra a mentira apenas como uma característica de indivíduos de má índole, mas apresenta também seu aspecto humano. Na verdade, com uma análise mais aprofundada — e também um pouco de coragem de admitir, acabaríamos por descobrir que todos já fomos calhordas em algum momento de nossas vidas.

Classifiquei essa obra com quatro estrelas, pelo fato dela divertir o leitor, mas além disso, mostrar-lhe uma nova perspectiva da realidade. O professor e crítico literário, Antônio Cândido, em seu artigo ” A vida ao rés-do-chão” (1980), declara: “Ora, a crônica (…) pega o miúdo e mostra nele uma grandeza, uma beleza ou uma singularidade insuspeitadas.” Luis Fernando Verissimo conseguiu captar essas nuances da realidade, que de tão sutis podem passar despercebidas ao espectador desatento, e mostrou o lado singular delas. Apesar de não poder considerá-lo um best-seller, afirmo que esse livro é digno de apreciação. A definição perfeita para tal obra seria: simples e belo. Profundo, porém objetivo. Uma leitura adequada para quem deseja refletir sem cansar a mente.

♦ ♦ ♦

Sinopse: “Quantas vezes você mente por dia? Calma, não precisa responder agora. Também não é sempre que você conta uma mentira. Só de vez em quando. Na verdade, quando você mente, é porque precisa. Para proteger o outro – e de preferência, a outra. Foi assim com a mãe, a namorada, a mulher, a sogra. Questão de sobrevivência. Tudo pelo bom convívio social, pela harmonia dentro de casa, para uma noite mais simpática com os amigos. Você só mente, no fundo, para poupar as pessoas, e sobretudo, para o bem das mulheres. Luis Fernando Verissimo, este observador bem-humorado do cotidiano brasileiro, reúne aqui um repertório divertido de histórias assim – tão indispensáveis que, de repente, viram até verdades. Depende de quem ouve. Depende de quem conta. As mentiras que os homens contam reúne crônicas do autor sobre o temas, espalhadas em vários de seus livros ou publicadas nos jornais. Este é o primeiro livro da série de relançamentos da obra completa de Verissimo.”